De fato

“e, de fato, somos filhos de Deus.” 1 João 3:1
Quando Jesus ensinou seus discípulos quanto à forma de orar, começou com a palavra Pai. Melhor dito: Abba, Papai. Não se trata, diz João, de uma metáfora; trata-se de um fato real. Quando cremos em Cristo como nosso Senhor e Salvador,  nascemos de novo, re-gerados pelo Espírito; somos adotados por Deus como filhos. E adoção não tem cláusula de devolução. Uma vez adotados, adotados para sempre – que é a maior garantia que temos quanto à nossa salvação. Ou, como diz Paulo, nada pode nos separar do amor de Deus!
Sendo assim, convido você a olhar para os membros da igreja – local ou universal – como sendo sua Família. Sim, somos uma congregação de santos, mas somos, ainda por cima, uma família de irmãos que tem, de fato, o mesmo Pai. Ele é um Pai perfeito, cuja vontade para nossas vidas é boa, perfeita e agradável. Já nós somos, ainda nesta vida, uma típica família disfuncional, que tem seus momentos bons e os não tão bons.
Não adianta sair de uma igreja e procurar outra na esperança de encontrar uma família melhor. Somos todos imperfeitos, seja na IBGV, seja em outra igreja. É assim com nossa família natural: temos brigas com este, risadas com aquele, recebemos bons conselhos de outro. Ao pertencermos a uma igreja, convém lembrar que estamos nos preparando para a eternidade, junto às mesmas pessoas que, por vezes, nos tiram do sério agora.
Preparemo-nos, portanto. Aprendamos a amar com amor fraterno, a orarmos juntos, a nos encorajarmos uns aos outros, a, quando necessário, exortarmos uns aos outros. E, principalmente, a perdoarmos uns aos outros. Evitemos ao máximo julgarmos uns aos outros, condenarmos uns aos outros.
Porque temos o mesmo Pai. Somos irmãos. Somos Família.