Ousadia

Atos 4:29 Pedro – assim nos relata esta passagem no livro de Atos – havia sido preso pelas autoridades judaicas. Seu crime: pregar as boas novas do evangelho. No dia seguinte, foi levado a julgamento. As denúncias foram pesadas, mas, no último minuto, levantou-se uma voz moderada. Pedro foi solto e, saindo da corte de julgamento, foi direto para a casa onde seu grupo estava reunido, orando por ele. Depois da alegria do reencontro, oraram. É interessante notar que não oraram pelo fim da perseguição, pela liberdade religiosa para pregar a Cristo. Pediram a Deus que tivessem ousadia para continuar sua pregação – mesmo sabendo que as consequências seriam muito graves!
Nossa fé está sob ataque. Às vezes não o notamos, pois nossas leis garantem a todos liberdade religiosa. Mas: o mundo persegue a Cristo e seus seguidores da mesma forma que nos tempos retratados em Atos.  Vejamos algumas manifestações desta guerra nada santa:
1) Indiferença, ignorância ou inimizade a Deus – o resultado se vê na idolatria ao próprio eu, ao individualismo exacerbado;
2) Indiferença ou inimizade à pureza de Deus – os homens não têm o menor desejo por terem um coração puro, isto é, intenções boas e transparentes (Salmo 51:10; Prov 21:8; Hab 1:13; Tiago 1:27)
3) Indiferença ou inimizade à justiça social, à proteção aos fracos, oprimidos, viúvas e órfãos – os valores humanos são monetarizados, o capitalismo age sem freios morais, o crescimento do PIB e da riqueza (de poucos) é o que importa;
4) Idolatria do Poder – seja político, econômico ou relacional.
As igrejas se calam. Falsos evangélicos ocupam o espaço que deveria ser nosso. Qual animal acuado, recolhemo-nos às nossas tocas, que chamamos de igrejas.
Falta-nos ousadia.
Façamos como Pedro e seus amigos: peçamo-la a Deus.